Senhora do Oceano

Meus olhos passam atentos pela paisagem, não quero perder um segundo sequer desse mundo tão diferente de tudo que já vi. O carro aguarda seu momento na fila ao lado do estacionamento da Ring Road, costa sul da Islândia. Reynisfjara está cheia de vida, a praia é um presente dos deuses para a pequena cidade de Vík. O burburinho de pessoas saindo de seus carros se mistura ao som do poderoso Oceano Atlântico. Vozes exclamam “Oh” e “Wow!”. Câmeras fotográficas e celulares são preparados para iniciarem o dia de trabalho que só chegará ao fim após o pôr do sol na ilha. Não há árvores aqui. Pedaços de gelo se sujam na areia preta, o vento é forte e emaranha meus cabelos. Respiro profunda e lentamente várias vezes, enchendo meus pulmões do sal que vem com a brisa. Caminho em direção à praia, as inúmeras colunas de basalto podem facilmente ser confundidas com gigantes adormecidos à espera do retorno de Thor à Terra. Ao fundo, dois rochedos emergem do oceano como espadas prontas para defender o forte. A vista é de tirar o fôlego. Quero me juntar as famosas e perigosas sneaker waves em sua dança de vai e vem, por um instante meu corpo imita os movimentos. Minhas mãos relaxam no bolso quente de meu casaco branco, me dou conta de que sou um ponto brilhante em meio as cores contrastantes.

- Porque você não tenta isso você mesma?

O homem escondido em sua grande jaqueta azul diz atrás de mim. Continuo a observar, até me dar conta de que sua pergunta é direcionada à mim. 


- Isso não é para impressionar - digo - A maioria das pessoas não se importam com o perigo que a beleza esconde tão bem. 


O estranho me analisa atentamente. Sua expressão luta contra sua opinião já formada sobre mim. Ele desvia o olhar, sorri. 


- A maioria das pessoas não percebem que ir é se encontrar. Eu prefiro estar por aí, a estar perdido em silêncio. 


Suas palavras soam profundas e poéticas. Combinam perfeitamente com a grandiosidade da natureza ao nosso redor. 


- As vezes o silêncio não é um grito de desespero, ele é apenas um alento ao final da tarde, a retribuição da simpatia dos raios de sol emanada em cores quentes.


Sorrimos. 

Ambos em silêncio. 





Comentários

  1. Sua descrição nos transporta para o cenário que é plano de fundo do seu texto, o diálogo nos faz refletir sobre várias coisas, ainda que nenhuma delas tenha sido abordada no texto. Parabéns!


    Blog Profano Feminino

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando escrevo me transporto para o cenário e acho que isso faz as pessoas sentirem o mesmo. Gosto de descrever detalhes e sentimentos.
      Obrigada pelo comentário e por ter gostado.

      Ha det bra!
      Leidiane Holmedal | leidianesbueno@gmail.com
      Watermelon Curly

      Excluir
  2. Que lindo, Leidiane! Me senti exatamente nesse lugar e achei o diálogo bem reflexivo! Você falou que nunca tinha escrito conto, mas ainda bem que agora já escreveu esse!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhhhh obrigadaaaa! Fico tao feliz por saber que pessoas que eu admiro gostam do que escrevo.

      Ha det bra!
      Leidiane Holmedal | leidianesbueno@gmail.com
      Watermelon Curly

      Excluir
  3. Excelente texto!
    Bj e fk c Deus.
    Nana
    http://procurandoamigosvirtuais.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Fico feliz que tenha gostado.

      Ha det bra!
      Leidiane Holmedal | leidianesbueno@gmail.com
      Watermelon Curly

      Excluir
  4. Eu gosto muito de como o seu texto é imagético. A gente se sente dentro da história. :)
    Você é fantástica e você sabe disso!

    Um beijo,
    Fernanda Rodrigues | contato@algumasobservacoes.com
    Algumas Observações
    Projeto Escrita Criativa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico tao feliz quando você faz comentários como esse, pq eu te admiro tanto em todos os sentidos. Significa que to indo no caminho certo.

      Ha det bra!
      Leidiane Holmedal | leidianesbueno@gmail.com
      Watermelon Curly

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas